terça-feira, 14 de maio de 2013

POLÍTICA: No pântano cavaquista


No seu sempre interessante blogue «A Terceira Noite», Rui Bebiano lembra - com um grande sentido de oportunidade! - o episódio ocorrido no estertor da RDA, quando Eric Honecker queria ostensivamente não ver a revolução iminente nos cidadãos do seu país e resumia a forma de os sossegar com um maior acesso às quase inacessíveis bananas.
Em vésperas da queda do muro de Berlim, o partido no poder entretinha-se a discutir as próximas comemorações do aniversário da sua chegada ao poder, num exemplo superlativo do que é o autismo perante a realidade dos factos.
A notícia da convocação do próximo Conselho de Estado, acompanhada da respetiva agenda para discussão, só pode lembrar um mesmo tipo de autismo: é que perante uma realidade trágica, como é a vivida pelos portugueses com índices de desemprego avassaladores e um empobrecimento acelerado de tantas famílias que, em muitos casos, nem sequer conseguem satisfazer as suas carências básicas, cavaco silva pretende confrontar os conselheiros com o que será o país daqui a mais de um ano.
Como fazia muito bem o deputado João Galamba na RTP, quando  instado a comentar essa ordem de trabalhos, não existe qualquer outra reação senão a de considerar que, em Belém, vive-se na mais absurda irrealidade. Dando razão a José Sócrates quando, anteontem, situava cavaco silva como peça integrante do verdadeiro pântano em que o país está mergulhado.
Por isso neste maio estão maduras as condições para que a revolta se expresse e abra alas para uma outra forma de encarar o futuro!!!

Sem comentários:

Publicar um comentário