sábado, 26 de janeiro de 2019

Como é possível ainda nele (com assumida minúscula) crer?


A minha desafeição de Deus ocorreu tão cedo, que nem a primeira comunhão fiz, apesar de, regularmente, acompanhar a família ao deprimente espetáculo da fé interesseira em torno da Senhora de Fátima. Quantas vezes ouvi o discurso de lá ir para que a saúde melhorasse ou um sobrinho passasse sem mazelas pela guerra em África? Quem lá se deslocava - e presumo que quem o continua a fazer - não pede aos transcendentes poderes, que o mundo melhore, se torne mais justo. Olha para o umbigo e, em função dele, acende velas ou repete preces.
Vem isto a propósito do confirmado desenlace da tragédia de Málaga. Ao fim de treze esforçados dias os mineiros e os bombeiros resgataram o corpo sem vida da criança de dois anos, que caíra num profundo poço. E perante os que se continuam a dizer crentes num qualquer deus monoteísta - católico, protestante, muçulmano, judeu ou qualquer outro! - importa colocar a pergunta: não é esse deus omnipotente, omnipresente  e onisciente? Não tem poderes ilimitados, não está em todo o lado e de tudo sabe? Como poderia tal entidade, se acaso existisse, conformar-se com o triste fim de uma inocente criatura, que deveria merecer-lhe acrescida proteção?
Não careço destas perguntas para me afirmar ateu. Negar a existência de Deus é facílimo se nos situarmos numa lógica científica, racional. Mas, acaso viesse a depreender quanto ao meu erro, só poderia considerar que esse deus não é de confiança, mente, incita à violência, arrecada riqueza, discrimina uns povos em detrimento de outros, entre outras patifarias, como no-lo apresentou Saramago, que concluía: "Deus rancoroso, vingativo e má pessoa".

3 comentários:

  1. Coloquei este post no facebook com om seguinte comentário:
    "Este texto, sobre a desgraçada e morta(assassinada?) criança em Málaga, é exactamente o que eu penso sobre o assunto que o seu autor desenvolve! Com que base, científica ou não, acredita a maioria dos seres humanos, seja em que deus for???
    Jorge Rocha, além de ateu confesso, eu sou um leitor assíduo do seu blogue, pois os seus ideais, coincidem com os meus, politicammente e não só!!!

    ResponderEliminar
  2. Publiquei no facebook com o seguinte comentário:
    "Este texto, sobre a desgraçada e morta(assassinada?) criança em Málaga, é exactamente o que eu penso sobre o assunto que o seu autor desenvolve! Com que base, científica ou não, acredita a maioria dos seres humanos, seja em que deus for!!!"
    Obrigado, Jorge Rocha, estou em sintonia consigo, na generalidade!!!

    ResponderEliminar
  3. Desculpe, esqueci-me de "assinar" o meu comentário: "soudocontra=ManuelTorres)

    ResponderEliminar