segunda-feira, 16 de abril de 2018

Voltemos então às coisas ditas sérias!


Agora que já se fechou mais um parêntesis holandês na minha quotidianidade, eis-me disponível para acompanhar com mais atenção as frivolidades de que vão sendo feitas as cenas políticas nacionais e internacionais. Começando pela capa do «Público» de hoje, a escolher ´como notícia principal a produção horária de 29 «T-Roc» na fábrica da Autoeuropa, dando gás às exportações e enervando um pouco mais as impotentes direitas, que veem o governo surfar agilmente as ondas, sem que nada o venha propriamente perturbar. Não tivessem sido os incêndios do verão passado - e o aproveitamento oportunista de Marcelo para com eles entalar António Costa - e a popularidade deste último pediria claras meças ao demagogo das selfies e dos abraços. Razão acrescida para tomar medidas cautelares muito eficientes contra os incendiários, que uma reportagem mostrada na TVI nos últimos dias, comprova serem como as bruxas espanholas: «que los hay, hay…»
Passemos oportunamente para Espanha e para a mais recente «pérola» presidencial, pois correspondendo ao convite do símbolo maior da opressão por que passam hoje em dia os catalães, Marcelo pôs o patriotismo de férias e disse-se muito apegado aos «nuestros hermanos» desde que tinha seis anos. Vale então a pena lembrar Almada Negreiros (saudação especial daqui ao Gustavo Morais da Marinha Grande!) que dizia se o Dantas era português, antes quereria ser espanhol. Podemos atualizar a máxima e invertê-la adequadamente: se o Marcelo gosta tanto de se sentir espanhol, mais uma razão bem forte para nos sentirmos arreigadamente portugueses!
Continuando nas notícias da primeira página do matutino da Sonae, dá para sentir algum prazer com os aborrecimentos do pato bravo dos ferries do Douro, que quereria construir um hotel em leito de cheia. Se Passos Coelho e Aguiar Branco lhe proporcionaram a escandalosa negociata, que dele fez o intermediário do «Atlântida» entre os ainda públicos Estaleiros de Viana e o seu comprador final, talvez os seus esquemas encontrem bem menos acolhimento neste governo do seu descontentamento.
Concluindo, enfim, com o propósito de Centeno em ser o campeão europeu da redução da dívida - e o que isso poderá implicar para que a qualidade de vida dos portugueses não melhore tão substantivamente quanto as condições atuais justificariam - sobretudo na saúde - mantenho a dúvida quanto ao verdadeiro objetivo do ministro das Finanças: provar que a dívida é resolúvel sem qualquer revisão nas suas periodicidades ou juros? Ou tudo fazer para objetivos pessoais, que já se conjeturam, mesmo justificando-se a máxima prudência para com as tergiversações do semanário de Balsemão?

1 comentário:

  1. De facto, como o próprio Jorge Rocha já assinalou muitas vezes, o que o Expresso diz nem sempre se escreve.

    A acusação, a ser verdadeira, seria grave, a saber, Centeno colocaria o interesse pessoal à frente dos interesses legítimos daqueles cujos votos sustentam o Governo.

    E Costa, sabendo disto, não iria fazer nada? Seria ele conivente ou o Jorge Rocha acredita mesmo que Centeno teria conseguido deslumbrar António Costa a ponto de o comer por lorpa? O PM é mais experto do que isso...

    Julgo que a resposta é mais simples e não implica que o poder tenha subido à cabeça de Centeno. Simplesmente, ele acredita que estamos pendurados por fios e que não deverá haver lugar para desapertar mais os cordões à bolsa na presente situação. Em vez de comer o ovo, os Portugueses deverão é esperar pelo frango...

    O Jorge Rocha pode até discordar de tal visão, o que não deve é colocar em questão a seriedade do MF. Não são muitos os que seriam capazes de fazer o que ele tem feito...

    ResponderEliminar