sábado, 25 de agosto de 2018

E pur si muove - 25 de agosto de 2018


1. Mais dinheiro para a Cultura e para a Ciência - eis duas das boas notícias dadas esta tarde por António Costa no discurso da Festa socialista em Caminha - às quais acrescentou um programa para o regresso de jovens mandados para o estrangeiro por Passos Coelho.
A aposta no conhecimento constitui há muito a marca identitária dos governos socialistas, que continuam a ter como guia orientador a herança legada pelo injustamente esquecido Mariano Gago. Assim saiba o Partido Socialista igualmente seguir a de António Arnaut para que a Saúde também deixe de ser um não-assunto no discurso dos que, nas direitas, tudo fizeram para destruir o serviço público e o continuam a tentar, mesmo quando dele se fazem incredíveis defensores.
2. Em 1979 João Paulo II visitou a Irlanda e tinha à espera uma multidão de 450 mil católicos decididos a ouvi-lo. Quase quarenta anos depois, Francisco repete a experiência, mas as expetativas é para não conseguir falar para mais do que 10% desse número de seguidores. Desde então aquele que era um dos países mais fundamentalistas no respeito pelos preceitos do Vaticano descobriu uma vala com centenas de esqueletos de bebés num centro de acolhimento para mães solteiras, iniciou investigações sobre  casos de pedofilia e de imposição de trabalho escravo nas instituições católicas do país, aprovou o casamento para pessoas do mesmo sexo, aprovou a lei sobre a interrupção voluntária de gravidez e elegeu um primeiro-ministro homossexual.
Infelizmente Portugal ainda é, segundo um estudo recente, um dos únicos seis países europeus onde mais de 50% das pessoas entre os 19 e os 29 anos continuam a considerar-se cristãos. Os outros povos ainda rendidos a uma tão moribunda crença são os polacos, os lituanos, os austríacos, os eslovenos e estes mesmos irlandeses já dando sinais de tão significativa desconfiança em relação a ela. A tal ponto que os vendedores de artigos de merchandising relacionados com a visita de Francisco temem não conseguir fazer negócio digno desse nome.
3. Sei que ainda é arriscado o veredito, mas a morte política de Donald Trump vai-se consolidando à medida que os amigos vão-lhe virando as costas para aligeirarem as penas de prisão a que se arriscam por terem trabalhado ativamente no sentido de o fazerem eleger. Agora foi o dono do pasquim «National Enquirer» a colaborar com as investigações sobre as suspeitas de conluio com o Governo da Rússia. Day by day o enterro de tão grosseira singularidade vai-se aproximando...

Sem comentários:

Publicar um comentário