domingo, 17 de junho de 2018

Os sinais que Marcelo dá ao PSD quanto às exigências dos professores


Não há que ter ilusões quanto à bondade súbita de Marcelo Rebelo de Sousa quando, pelo «Expresso», dá conta da sua desaprovação á vontade manifestada por algumas figuras gradas do PSD em associarem-se ao Bloco e ao PCP na imposição da contagem total do tempo reivindicado pelos professores no Orçamento de Estado para 2019. Não é que ele queira facilitar a vida ao governo de António Costa que anseia ver pelas costas e substituído por um outro mais conforme com as suas opções ideológicas.
É precisamente por adivinhar possível essa hipótese - sobretudo se os professores, arregimentados pelos seus sindicatos e pelos partidos, que se lhes têm associado - revelem sucesso na repetição da «bela» obra que conseguiram quando, na década transata, cuidaram de fragilizar os governos de José Sócrates de forma a possibilitar-lhe a substituição pelo de Passos Coelho.
Os que agora protestam nada aprenderam com o então sucedido e, como alguém dizia nas redes sociais, se daqui a um par de anos voltarem a recolher os «frutos» que a coligação das direitas lhes proporcionaram entre 2011 e 2015 não terão mais do que aquilo que se esforçam por merecer.
O problema que Marcelo pressente é que, colando-se o PSD oportunisticamente a esta luta insensata, estará a semear as pedras por que terá de passar se voltar a ser governo, porque os encargos futuros do Estado com os encargos agora reivindicados serão incomportáveis e condicionarão esse futuro. Porque só recorrendo ao argumento sólido da demografia, que faz existirem cada vez mais professores para um número de estudantes em clara redução, para impor despedimentos massivos no setor conseguirá conter a despesa do Estado em limites, que não arrastem o país para défices ingeríveis.
Marcelo sabe  que o PCP e o Bloco - agora a demonstrar que cinge a ambição a manter-se partido de protesto e não de governo numa coligação com o PS! - podem tudo exigir, porque nunca terão de se haver com as consequências do seu aproveitamento populista às exigências corporativas inaceitáveis dos professores. Mas o PSD aspira a voltar ao governo e, segundo o seu antigo militante e atual presidente, não poderá criar hoje as dificuldades, que não saberá como resolver amanhã se quiser evitar medidas demasiado impopulares. Porque não tenhamos dúvidas que só com grandes aumentos de impostos de todos os demais contribuintes é que os professores e as outras classes profissionais, que os imitam nas mesmas exigências, poderão vê-las satisfeitas.
Ora, pela parte que me diz respeito, sei que já pago impostos a mais para aquilo que o Estado me propicia em serviços públicos dignos desse nome. E muito menos quero voltar a ver-me espoliado dos milhares de euros que, entre 2011 e 2015, o governo das direitas me roubou como efeito dessa coligação nefasta que professores e partidos à esquerda do PS organizaram para o afastar do poder. Os professores que se cuidem, porque o seu prestígio social - que deveria ser uma das suas preocupações essenciais - vai decaindo mais e mais, à medida que se comportam egoisticamente sem olhar para os interesses de todos os demais cidadãos...

Sem comentários:

Publicar um comentário