sexta-feira, 1 de julho de 2016

Clarifica-se a guerra ao governo de António Costa

Temos de reconhecer que está declarada uma guerra intensa da corrente austericida europeia ao governo de António Costa. É que derrotadas as pretensões do Syriza a uma política diferente na Grécia e com Manuel Valls decidido a assassinar o socialismo em França, depois de em vão, ter querido retirar essa designação do Partido de Mitterrand e de Delors, este cantinho à beira-mar plantado arrisca-se a ser uma espécie de aldeia de Asterix, intransigente quanto à defesa de um caminho diferente para combater a crise instalada em toda a Europa.
O problema para Schäuble & Cª está no medo em que a poção mágica com que os druidas socialistas portugueses contam dilatar a possibilidade de sucesso da economia, dê mesmo resultado e os muitos, que os criticam possam, em definitivo, aumentar o clamor de tais protestos, invocando:
- Vejam, os portugueses! Estão a seguir outra via e ela está a resultar!
Por isso tentam privar a receita de alguns dos seus ingredientes fundamentais: juros relativamente baixos nos mercados da dívida soberana e o acesso aos fundos europeus tão necessários aos novos investimentos.
As palavras de Schäuble, Subir Lall, Mariano Rajoy e do até agora anónimo Klaus Regling, hoje tão enfatizado nas notícias de alguns telejornais, visam isso mesmo: sem quaisquer fundamentos dar a ideia generalizada de um fracasso total nas políticas aqui implementadas e criar o mal-estar dos mercados financeiros para com o nosso país.
Batedores de uma direita europeia, a contas com a incapacidade para lidar com o desastre financeiro, que criou, pretendem inviabilizar as soluções alternativas capazes de lhes desmascararem a incompetência e a cegueira ideológica. No fundo lutam pela sua própria sobrevivência política.
Essa estratégia tem, obviamente, uma quinta coluna interna: sem outro discurso plausível, Passos Coelho já se mostra desagradado com o protesto diplomático que o governo português endereçou ao de Angela Merkel a propósito do seu ministro e volta a defender quão auspiciosa era a política baseada nos cortes dos salários e das pensões ou no corte de direitos aos trabalhadores.
E não podemos esquecer o papel do «Observador», onde Helena Garrido volta a destacar-se pela sua dedicação em procurar o derrube de governos de esquerda: depois de ter sido por ela que Teixeira dos Santos deu, em 2011, a facada nas costas em José Sócrates, para que viesse a troika, volta a prometer a sua intervenção no sentido de incendiar a opinião dos que a leem, ao resgatar a tese da prevalência os efeitos das políticas do governo sobre a crise, em detrimento dos condicionalismos estritamente externos.
Não se entende por isso a «colaboração» que a FESAP decidiu dar a estas comprovadas manifestações de sabotagem vindas de direções diversas, mas todas com o mesmo sentido: derrubar este governo. Tendo em conta o compromisso de chegar à implementação das 35 horas em toda a Função Pública, faz algum sentido fazer greve no fim do mês?
Ana Avoila continua a mostrar que não aprende nada com os erros do passado.

3 comentários:

  1. Fora com este "nacional fascista", inimigo da democracia e de Portugal ! Fora da política da UE quem não foi eleito !

    ResponderEliminar
  2. remar contra a maré, quando é o próprio povo que ataca o seu país, já a senhora Merkel e o rodinhas tem como defesa querer mandar em toda a chamada U.E. serem donos e senhores do por e dispor, e tentam boicotar todos o que lhes fazem frente, agora que finalmente o governo português finca o pé, ficam alerta, há que dividir para continuar com o reinado, apoio incondicional ao governo nesta matéria é Preciso.

    ResponderEliminar
  3. SCHAUBLE NÃO É MAIS DO QUE UM SER INTELIGENTE RECALCADO. NÃO SÓ E DEVIDO Á SUA DEFICIÊNCIA MAS TAMBÊM PORQUE TEM ASSISTIDO AO DESAPARECIMENTO DA SUA ALEMANHA FASCISTA BEM COMO Á CONDENAÇÃO MUNDIAL DE TODO E QUALQUER FASCISTA. E, ELE SONHA COM O REAPARECIMENTO DO SEU PASSADO DE GLÓRIA FASCISTA. SCHAUBLE, OU MORRE DE DOENÇA NATURAL OU TERÁ DE SER AFASTADO DO LUGAR QUE OCUPA.

    ResponderEliminar