quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

A permanente campanha para abafar os sucessos a governação

Sempre que o governo consegue um sucesso rotundo na sua ação - e a eleição de Mário Centeno para o Eurogrupo foi-o! - há-de aparecer alguma notícia capaz de o fazer passar para segundo plano, atirando para a ululante turba aquilo que a sua componente mais primária tanto aprecia: bisbilhotice, aparentes conluios de corruptos com ministros, secretários de estado ou deputados - sempre do Partido Socialista! - para corroer insidiosamente uma dinâmica, que deveria tender para o otimismo quanto ao futuro próximo e só procura empurrar para baixo a confiança e a esperança dos que as viram crescer nos últimos dois anos.
Não é que queira passar por um paladino de fáceis teorias da conspiração, mas é crível que as anasleais tenham um sortido de estórias no congelador para as ir debitando cirúrgica e seletivamente sempre que a oportunidade de depreciar um governo em alta se lhes afigura justificada.
É por isso que, tendo em conta, as más experiências colhidas no passado com vários governos, o Partido Socialista tenha de ultrapassar para si mesmo, e para os seus quadros mais importantes, aquilo que César exigia à esposa. E tem de se deixar de paninhos quentes: em vez de estar sempre à defesa com este tipo de ataques das direitas tem de virar a mesa e apontar-lhe o muito que elas têm no cartório, ou seja não deixar cair em cesto roto tudo quanto se lhe pode apontar. Por exemplo as recentes novidades do caso Tecnoforma não justificariam uma Comissão Parlamentar para que Passos Coelho e Miguel Relvas se explicassem?  Não seria lícito questionar ativamente o porquê do governo anterior ter arruinado o sistema bancário português, mormente a Caixa Geral de Depósitos, cuja salvaguarda foi conseguida in extremis? Não se justificaria trazer de novo à baila a estranha «privatização» da TAP, quando esse mesmo governo já só estava em gestão e que quase deitaria a perder a possibilidade de Portugal contar com uma companhia aérea de bandeira?
As possibilidades de contra-atacar as direitas poderiam prolongar-se por muitas mais questões, que elas nunca esclareceram. E talvez fosse tempo de olhar para a comunicação social com rigor e exigência, a começar pela parcialidade com que a (des)informação da televisão pública trata a nossa quotidianidade, aferindo se, na mesma medida, os demais operadores cumprem os requisitos legais para manterem as respetivas licenças…
Quanto ao caso «Raríssimas» ele durará tanto quanto outros similares: durante uns dias será explorado até à náusea e depois segue-se para outra notícia, para outro «escândalo».  Que os próximos venham a afetar quem, nestes últimos dois anos, tem adotado poses angelicais, sonsice com que têm procurado esconder a sua intrínseca natureza pecaminosa… essa sim ainda insuficientemente escrutinada!

2 comentários:

  1. Já era tempo para por a nu a campanha de desinformação, calúnia e falta de vergonha da direita e respectivos serviçais da comunicação social.

    ResponderEliminar