sábado, 4 de fevereiro de 2017

Uma ignomínia sem fim

Mantem-se a coligação do Ministério Público e dos meios de comunicação para imporem publicamente a culpabilidade de José Sócrates por muito que lhes faltem as provas, que a evidenciem.
Hoje, porque fiquei alertado para a conferência de imprensa das oito da noite preparando-me para apreciar a consistência dos argumentos justificativos para o processo contra o Estado.
Optei pela SIC onde vi o Rodrigo Guedes de Carvalho transitar a tempo a emissão para o Altis. Só que, ainda o antigo primeiro-ministro ia no início da explicação, quando o realizador do Jornal da Noite o silenciou para transmitir uma peça lamentável a servir de mero altifalante das suspeitas baseadas nas «fugas de informação» e nos boatos oriundos do centro conspirativo formado desde há quase quatro anos e sempre apostado em justificar o injustificável. Ricardo Costa, como diretor de (des)informação do canal continua a ser o caim sempre pronto a ensaiar tentativas de assassínio contra o partido do irmão.
Se nos meses mais recentes me têm inquietado alguns sinais de aproximação de Sócrates a quem dentro do PS mais afastado está da sua atual liderança - e não esqueço que, alguns deles, durante a vigência do segurismo, o trataram como se de lepra se tratasse! - continuo a apoiar-lhe os esforços para moralizar a Justiça, impedindo-a dos comportamentos arbitrários de alguns dos seus principais atores…
Reitero o que aqui tenho dito e redito: o que lhe têm feito é uma crapulice sem vergonha!

2 comentários:

  1. A questão é que isto ultrapassa Sócrates e sobra quem não queira ver que o "rei vai nu" no mundo da justiça . Veja-se o que se passou com o Supremo e o processo contra Gonçalo Amaral. E isto é menos do que a ponta do iceberg da disfuncionalidade de uma instituição que está entregue ao arbitrio de corporações.

    MRcoha

    ResponderEliminar
  2. Sócrates tem sido tratado de forma perfeitamente canalha pelos media e por quem viola o Segredo de Justiça na mais absoluta impunidade (onde está aqui a Justiça Portuguesa?). Confesso por isso que me daria muito gozo ver o seu processo anulado por vício de forma, seja por ultrapassagem dos prazos, seja por violação do princípio da Legalidade Processual. Objetivamente, os direitos de defesa do antigo PM estão a ser violados quase todos os dias, sem que pareça que isso importe a ninguém. Importa separar isso da avaliação moral que cada um faz de José Sócrates. Do meu ponto de vista, alguém que mentiu e admitiu que mentiu e que não apenas se expôs, mas sobretudo expôs todos os que com ele trabalharam e defenderam, à vergonha, não tem uma perna com que se segurar. Merece apesar disso o calvário por que está a passar? Não, não merece...

    ResponderEliminar