quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Reformismo e radicalidade

Existem expressões que os mais timoratos em se assumirem de esquerda usam para eufemizar as suas posições: reformismo é uma de entre muitas outras. Dizerem-se «socialistas» é que não, por temerem as associações com pretéritos líderes internacionais, que deram mau nome à expressão, sem dela terem conseguido ser autênticos intérpretes, mesmo com alguns a terem-no tentado com sincero empenhamento.
A atual direção do «L’Obs», nome abreviado do histórico « France Observateur» e «Le Nouvel Observateur» segue esta linha, da qual o anterior diretor, Jean Daniel, foi pioneiro assumido. Mas, mesmo recorrendo a fórmulas habilidosas para disfarçarem quem julgam querer ser, esses exegetas do reformismo acabam por desembocar onde mais importa: na encruzilhada entre ser-se consequente na intencional transformação da realidade ou apenas fingir-se que se o pretende por aceder a compromissos mais próximos da rendição.
Por isso mesmo o referido Jean Daniel emitira um juízo paradoxal, se não mesmo absurdo na efetiva dimensão do que significavam as palavras utilizadas: que ser-se reformista era mostrar ambição em vez de renúncia às nossas leis e regras, e isso significava apostar-se numa postura radical. Ora, a radicalidade impõe a forte probabilidade de ruturas, quando as negociações com o campo político contrário só impõe bloqueios e impasses. Algo que Matthieu Croissandeau, o sucessor de Daniel, muito teme, razão porque elogia François Chérèque, o sindicalista histórico da CFDT, desaparecido recentemente. Alguém que se dizia incapaz de resignar-se com o fracasso de qualquer negociação, como se ela obrigatoriamente conduzisse a um consenso. Na realidade, o consenso por ele desejado mais não era do que a abdicação do que se pretenderia alcançar. Mas, entrando na mesma ambiguidade do seu mentor, Croissandeau reconhece a inevitável impopularidade da esquerda quando, no poder, mostra vergonha em o ser, como ocorreu com Hollande.
Só há algo em que o atual e o anterior diretor da revista em causa têm razão: importa analisar aprofundadamente a realidade a cada momento para, em função do que nela se interpreta, ajuizar qual a melhor estratégia. Com o risco de se vir a confrontar com uma situação como a do filme «Match Point», quando a bola se equilibra periclitantemente em cima da rede do court de ténis e acaba por cair para o lado errado. Que foi quanto sucedeu com o Brexit ou com a eleição de Trump. Porque situações existem em que a corda estica a tal ponto para cada um dos lados, que se arrisca a estoirar na direção indesejada...

1 comentário:

  1. Permita-me que me assuma nesta matéria como o perfeito timorato. Sucede que a experiência histórica tem mostrado que os líderes radicais da Esquerda normalmente não estão à altura da resistência profunda que a sua chegada ao poder provoca, isto é, são na maioria das vezes economicamente incompetentes. Os institucionalistas, como um Atlee, ou um Mário Soares, não só conseguem preservar a natureza do regime democrático como melhorar efetivamente a condição dos mais desfavorecidos. O que quer a Esquerda? Tomar o poder à Lenine, utilizando cinicamente o desejo de Justiça Social das massas e liquidando a Liberdade no Processo, ou conjugar Liberdade e Igualdade? O problema da 'associação com pretéritos líderes' é que não há bons exemplos dos ditos 'pretéritos'... São todos maus, e andam os radicais do costume a esfregar as mãos de contentes com a crise presente e a dizer quais sportinguistas que para a próxima é que é...

    ResponderEliminar