sábado, 30 de julho de 2016

De como Passos se fez Perdigão

Um dos mais conhecidos poemas satíricos de Camões tem por protagonista um tal Perdigão, que se quis alçar a tão alto lugar - diz-se que ao amor da belíssima infanta D. Maria - que cairia desamparado por rotundo insucesso.
Lembrei tais versos a respeito da semana horribilis de Passos Coelho.  Também para ele não há mal que lhe não venha: já não basta começarem a surgir indicadores económicos, que desmentem-lhe a tese sobre uma economia estagnada e logo lhe caiu em cima a decisão da Comissão Europeia sobre a não aplicação de sanções Portugal.
No Chão da Lagoa, onde foi a estrela maior da festa do PSD madeirense, quis subir a um alto lugar, prevendo a iminência da catástrofe do meio da qual poderia regressar como uma espécie de santo redentor. Tratar-se-ia, a seu ver, da derradeira oportunidade para querer voar a uma alta torre.
Viu-se depois o resultado: não teve no ar nem no vento asas com que se sustenha. Foi tal o choque com a realidade que ganhou a pena do tormento.
Vendo-se depenado, optou e bem pelo silêncio a pretexto de súbita doença, que o poupou à audiência com Marcelo Rebelo de Sousa. É que, hoje, se a queixumes se socorre, lança no fogo mais lenha.
Manifestamente não há mal que lhe não venha  a este Passos subitamente transformado em Perdigão. Aproximando-se a galope o momento em que deixará a condição de Perdigão e se verá devolvido ao anonimato de onde jamais deveria ter saído.

1 comentário:

  1. gente desta não sai de palco. nem que seja como figurante...não conseguem resistir.

    esqueceu de lembrar o relatório do fmi e as maravilhas do frontloading.

    e com tudo isto um dos blogues de esquerda chamou a atenção para um aspecto de que nem me tinha apercebido: não há sanções, grande vitória de AC, a tropa da imprensa foi logo ao saco buscar a operação marquês.

    ResponderEliminar