quarta-feira, 13 de abril de 2016

A determinação que anda a faltar no Largo do Rato

As demissões suscitadas por posts no Facebook, a contestação do Exército ao ministro da Defesa e a questão contratual de Diogo Lacerda Machado são exemplos reveladores de como o Partido Socialista ainda tarda em encontrar a melhor forma de lidar com os focos de contestação, que a sua governação vai suscitando e sempre aproveitados pela direita para o lento trabalho de desgaste a que se dedica porfiadamente, sabendo-se incapaz de prevalecer através de propostas alternativas.
Terminado o ciclo em que considerou ilegítimo o Executivo baseado na maioria parlamentar, a direita voltou à estratégia passada, que se mostrou particularmente compensadora durante os últimos anos da governação de José Sócrates: contando com uma comunicação social sempre pronta a secundá-la nas suas posições, apressa-se a criticar tudo quanto possa ser motivo para dar prova de vida.
Consciente da impossibilidade de lançar um tsunami politico, que varra o governo, vai apostando em pequenas vagas continuamente lançadas contra a sua costa esperando assim destruí-la a pouco e pouco.
Conta para isso com o apoio dos que, não coincidindo politicamente com os seus objetivos, prestam-se a associar-se-lhe sem perceberem como estão a ser estupidamente instrumentalizados muito para além dos seus iniciais argumentos corporativos. Sucedeu isso na semana transata com o reitor da Universidade de Lisboa quando se fez porta-voz da contestação ao Governo a propósito das cativações orçamentais decididas por Mário Centeno e estamos a ver a mesma coisa com os militares que se mantiveram calados durante quatro anos ao desprezo a que, então, foram sujeitos, e agora contestam uma violação flagrante de um dos seus quanto a um dos mais importantes requisitos constitucionais: a não discriminação de quem quer que seja por aquilo que é a sua identidade.
Infelizmente vem do Largo do Rato um silêncio incompreensível. Nesta altura o PS deveria estar a assumir uma «abstenção violenta» ao novo rumo profissional de Maria Luís Albuquerque, apostando na defesa do princípio de nem sempre legalidade e legitimidade coincidirem. Deveria confrontar Passos Coelho com o seu papel de administrador nas empresas de Ilídio Pinho na época em que, comprovadamente, este utilizava os serviços da Mossack Fonseca como subterfugio para fugir aos impostos. Deveria estar a ridicularizar as propostas de Assunção Cristas para o aumento da natalidade em Portugal, demonstrando que não é por falta de tempo ou de erotismo dentro dos casais, que escasseiam crianças, mas apenas porque os pais não sentem na precarização dos seus empregos as condições necessárias e suficientes para uma tão importante decisão para o futuro. Deveria lembrar diariamente os pensionistas e os funcionários públicos, que as reformas estruturais sugeridas pela direita significarão sempre novos cortes nos seus rendimentos.
Quando tudo apontaria para a possibilidade de empurrar a direita para as cordas, os socialistas ainda se comportam como o boxeur que, no ringue, movimenta-se lentamente e encaixa sucessivos golpes, na expectativa de que seja o governo, fora dele, a definir-lhe o resultado do combate.
Os últimos anos demonstraram que a direita não terá o menor escrúpulo em utilizar todos os argumentos para recuperar o poder. É altura do Partido Socialista deixar-se de mesuras e ataca-la com a mesma determinação.

3 comentários:

  1. Excelente.
    Basta comparar os comportamentos do PC e do BE dentro e fora da AR para se perceber que o Largo do Rato está "adormecido", e não devia, nem pode.

    ResponderEliminar
  2. Nada a obstar que o PS faça o seu trabalho de combate político (na AR e fora dela, através da militância e utilizando a blogoesfera, artigos de opinião em jornais, etc). Mas que os membros do Governo entendam que como Ministros não lhes cabe responder às críticas da Direita, exceto na AR...

    ResponderEliminar
  3. Plenamente de acordo! O PS tem obrigação de impedir que os pafiosos voltem a ser governo.

    ResponderEliminar