quarta-feira, 2 de março de 2016

A bombar rapidamente na direção da irrelevância

Não costumo ligar aos fóruns dos espectadores ou dos ouvintes das televisões e das estações radiofónicas por os adivinhar condicionadas por quem tem tempo e dinheiro para neles suscitar uma aparência de opinião pública sem conformidade com a realidade.

Mas, hoje, circunstancialmente, ouvi uma interveniente reclamar contra o aparecimento quotidiano de Passos Coelho em pose de primeiro-ministro como se ainda conservasse legitimidade para assim se comportar. E o que ela expressava era o enfartamento, que essa constante intrusão no seu quotidiano lhe provocava.
Quando será que Passos Coelho compreende que mete nojo o que é demais? Por quanto tempo ainda julgará ganhar algum apoio com maus truques saídos da parca imaginação dos seus spin doctors e de que o ridículo «bombar» é só mais um grotesco exemplo?
Por ora ainda tem o argumento de andar na campanha eleitoral para um Congresso onde não conhecerá, por ora, quem o confronte. Mas, e depois? Que motivos terão as rádios e as televisões para o não largarem?
Bastarão indicadores positivos da governação de António Costa para Passos Coelho ficar tão só como aquele célebre general encerrado no seu labirinto sem saída...

1 comentário:

  1. Não era na vista... era no "olho" de baixo !!! Traste criminoso, imbecil e ignorante, servo dos patrões criminosos, como ele!

    ResponderEliminar