quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Eu digo Presente!!!

Confesso a minha embirração de há muitos anos com o tipo de discurso e de comportamento de António José Seguro.
No seu pensamento nunca lhe detetei uma centelha de originalidade, sempre o vendo a repetir lugares-comuns com a jactância de quem se imaginava a proferir aforismos geniais. E, nos congressos, lá fui calando a indignação de o ver a multiplicar-se na prática típica do mais vulgar arrivista, cuja única estratégia se resume a criar uma intensa rede de contactos.
Em 2011 essa estratégia foi bem sucedida, porque o Partido ficou órfão do líder forte e determinado que, porém, não conseguira impedir o tsunami financeiro cujo epicentro acontecera do outro lado do oceano, mas cujos efeitos vieram fazer-se sentir na nossa beira-mar plantada.
Na altura escolhi apoiar Francisco Assis como mal menor, mas Seguro e os seus homens de mão tinham conseguido criar a ideia dele ser um líder sem brilhantismo, mas simpático o suficiente para cumprimentar centenas de militantes pelo nome, de deles saber laços familiares e as maiores preocupações, bem como o nome do papagaio ou doutro qualquer bicho de estimação lá de casa, se acaso sentisse disso necessidade para lhe angariar o seu apoio.
O resultado foram os três anos em que o Partido Socialista não fez oposição ao governo da direita, porque não havia pressas e seria preferível manter tudo em paninhos quentes, mesmo que crismados de violentas abstenções.
Jerónimo de Sousa tem razão quando marcou falta ao PS na luta contra o governo nesses três anos, mas perdeu-a ao omitir a diferença sentida no último ano, quando a vintena de deputados rebeldes apostados em recorrerem ao Tribunal Constitucional para pôr em xeque algumas das medidas mais violentas contra os reformados e os funcionários públicos, passaram a ter o apoio ativo da nova direção saída das Primárias de Setembro.
O que, hoje, critico a António Costa não foi a forma como conduziu a campanha contra tudo e contra todos: eu estive em muitas ações e reconheço terem sido feitos os possíveis e os impossíveis para contrariar a máquina de propaganda e de manipulação da direita, que teve na generalidade dos media, o ativo e, quantas vezes, execrável apoio.
O erro de António Costa foi imaginar que, depois das Primárias, a unidade dos que nelas tinham estado desavindos se diluiria e todos se disponibilizariam para unir esforços e dar o seu melhor para garantir o sucesso do Partido.
Nesse aspeto recordo um filme do Ingmar Bergman em que não se cuidava de matar o ovo da serpente (nazi), quando ele estava a ser chocado e, depois, ela saltava do ninho para causar o que se sabe.
O segurismo sempre correspondeu ao pior do PS: a gula de uns quantos medíocres por cargos e mordomias injustificadas pelos seus limitados talentos.  De um Álvaro Beleza, que até no hospital onde trabalha é extremamente mal visto pelos colegas, até ao Tó (no seu significado das palavras cruzadas) Galamba, passando pelo nada brilhante Dias, todos configuram um tipo de grupo ofídio a que os socialistas têm de cortar definitivamente as aspirações. Pena que Costa não o tenha feito ainda no ovo e os tenha deixado serpentear no Altis no dia das próprias eleições.
Numa altura em que António Costa deveria estar  unanimemente apoiado para levar por diante os desafios que se seguem  - a eleição para os dois principais cargos da República - o ruído estridente, que estes intriguistas fizeram soar só aproveita à direita.
Ao revelarem-se na sua verdadeira face de inimigos do PS, todos eles terão de ser escorraçados dos órgãos nacionais no próximo Congresso para que causem o menor mal possível. Porque bem avisado se é pelo provérbio popular, que avisa os riscos de se pouparem os inimigos...
Pessoalmente adio por mais algum tempo o desejo de gozar placidamente a minha reforma para dar o meu melhor esforço na luta, que agora se inicia.
Porque, se querem luta, tenho a certeza que milhares de simpatizantes e militantes socialistas estão prontos a dar o seu melhor para lhes garantir uma humilhante derrota.
Por isso, confiando em António Costa, eu digo presente para enfileirar no novo combate!!!

4 comentários:

  1. Genial. Subscrevo e serei mais um no novo combate.

    ResponderEliminar
  2. concordo inteiramente. Quem é esse Ga+lama para dizer o que disse de António Costa? Também me parece que este foi demasiado contemporizador. Se tem posto os seguristas no devido lugar, teria menos alguns ditos socialistas no PS mas teria começado a caminhada com um PS mais coeso e afirmativo. A prazo, seriamente mais ganhador.

    ResponderEliminar
  3. Essa gentalha é do pior!! Também eles contribuíram para este desfecho eleitoral. Mas o picareta falante do Assis também é detestável A imagem que passa é de um grupinho a querer tachos e tachinhos. Patético!

    ResponderEliminar