domingo, 28 de dezembro de 2014

Cinco semanas depois...

O texto de Miguel Sousa Tavares intitulado «A Prisão e o Poder», hoje publicado no «Expresso», está na linha da condenação que o escritor e jornalista tem verbalizado a propósito da desigualdade entre o que a acusação tem feito publicar nos pasquins do costume e o que a defesa tem sido impedida de responder no caso da detenção de José Sócrates. Como refere no artigo “o que incomoda o tribunal não é que Sócrates pudesse perturbar a investigação. (…) O que os incomoda é que, falando, Sócrates pudesse perturbar a verdade estabelecida e divulgada publicamente pela acusação. Assim, é, sem dúvida, mais fácil acusar, formar a opinião pública e condicionar a própria convicção do tribunal no julgamento.”
Passando-se semanas sem que nada de novo se saiba a respeito do que motivou rosário teixeira e carlos alexandre a humilharem e silenciarem o antigo primeiro-ministro, confirma-se a dificuldade em encontrarem matéria de facto para avançarem com  a fundamentação do seu julgamento. Por muita confusão, que continuem a  querer  estabelecer na opinião pública, o “caso” que especularam tem sérias fragilidades para não ser facilmente desmontado pela defesa. Resta-lhes, então, uma única arma, que estão a usar e a dela abusar: prolongar a prisão preventiva o mais possível para cristalizar nessa mesma opinião pública a suspeita de que, mesmo não havendo provas que o incriminem, José Sócrates é efetivamente culpado.
Julgam assim conseguir os dois objetivos a que, desde o início, se terão proposto: dificultar a eleição de António Costa como próximo primeiro-ministro e impedir o agora detido de voltar a desempenhar funções públicas no futuro.
Milhares de portugueses indignados com tudo quanto tem sucedido nestas cinco semanas  esperam que vejam essa estratégia ruir fragorosamente, arrastando consigo quem a congeminou!

2 comentários:

  1. inteiramente de acordo e como diz so se fala de dinheiro que passa das mãos do socrates<para os do motorista e crime!!!!!e ntao eu já cometi milhares de crimes por mandar o meu motorista depositar ou entregar dinheiro, e dinheiro de empréstimos de santos para socrates. bem isto e, um caso politico e não so .eles estão a espera de noticias da suiça mas da suiça não vem nada! ate<agora. agora como diz os pasquins cm e outros e que envenenam isto.

    ResponderEliminar
  2. Quarenta anos depois da Revolução dos Cravos, temos em Portugal um preso político! Seu nome: JOSÉ SÓCRATES. Vergonhoso! Liberdade, sim! Para todos! Fascismo, não! Nunca mais!
    Aqueles que hoje em dia, miseravelmente, tanto atiçam a populaça contra JOSÉ SÓCRATES, deviam saber que poderão vir a colher o fruto do sementeira que estão a fazer!... por Levi Costa. O objectivo não é levar José Sócrates a julgamento. O objectivo é julga-lo na praça publica, como está a acontecer e o desejo era mesmo o de fazer um auto de fé. Por: Otilia Gradim.
    José Sócrates é a versão portuguesa do Strauss Kahn. A ideia é humilhá-lo e destruí-lo junto de uma opinião pública pouco informada. E vingança dumas magistraturas vingativas e subservientes ao P"SD"... As mesmas magistraturas que nada fazem em relação a, por exemplo, Dias Loureiro, que safou Leonor Beleza do caso do sangue contaminado, que arquiva o escändalo dos submarinos...e por aí adiante... Por: Carlos Brighton. http://viriatoapedrada.blogspot.pt/2014/07/a-maior-cabala-e-mentira-depois-de-74.html

    ResponderEliminar