quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Sigam por esse caminho, que vão bem!

Parece que o governo anda muito entusiasmado com os sucessivos ataques, que vem fazendo a António Costa. Até há quem se vanglorie de se ter conseguido com isso diminuir as divergências entre o PSD e o CDS, já que ambos comungam a urgência de combaterem o próximo primeiro-ministro.
Mas já José Sócrates o referira: António Costa só pode sentir-se agradecido por dele darem notícias todos os dias. É que estes ministros e secretários de Estado cristalizaram tão grande repúdio na maioria dos portugueses que qualquer maledicência saída dos seus lábios funciona maioritariamente como elogios.
Depois, apesar de estarem no poder há mais de três anos, os que ainda ocupam as cadeiras do poder nada aprenderam com os seus erros e cálculos furados: em muitos aspetos continuam a revelar a imaturidade dos adolescentes tardios, que entre as piadas parvas por ninguém entendidas, como sucede nos discursos de passos coelho, e as de um inqualificável mau gosto, como as de pires de lima, dificilmente beliscam um político experiente e responsável, capaz de responder com tiros eficazes aos disparos atabalhoados, com que dezenas de maus atiradores o tentem atingir a partir dos gabinetes ministeriais.
Veja-se o caso das taxas aplicáveis aos turistas em Lisboa: para além das entrevistas dos telejornais aos visados não corresponderem ao que os (des)governantes gostariam de os ouvir dizer, o desafio para que as comparassem com as impostas pelo Governo nos aeroportos, nos hotéis e nos restaurantes, só funciona como ricochete certeiro em quem o julgava atingir.
Já nas Primárias do PS António Costa demonstrara uns nervos de aço (ou uma «paciência evangélica») contra com quem se lhe opunha.
Felizmente que a direita nada aprendeu com o sucedido e dispõe-se ela própria a imitar quem saiu inapelavelmente derrotado.
Façamos votos, que continuem assim: o resultado só pode ser aquele que todos os socialistas tanto desejam!

1 comentário:

  1. Desde que António Costa foi eleito nas primárias tornou-se evidente uma campanha mediática orquestrada pela direita com o o objectivo de desgastar a sua imagem junto da opinião pública. Essa campanha é conduzida não só pelos principais figuras do governo e da maioria, bem como por muitos dos analistas habituais que costumam alinhar argumentos com a direita. O que surpreende é a falta de resposta do PS. Disse do PS e não de António Costa, que no meu entender não se deveria envolver , porque ao fazê-lo cria a polémica e amplia o efeito mediático. Precisamente o que a direita pretende. Não concordo com o post quando escreve que estas campanhas não produzem efeitos. Basta ver quanto dano tem provocado à imagem pública de Obama as campanhas negativas da direita americana. Não é por acaso que os PAC ligados ao Partido Republicano gastam, segundo os estudos dos analistas políticos nos US, quatro vezes mais com campanhas negativas do que na campanha eleitoral propriamente dita. Faltam 11 meses para as próximas eleições e a direita sabe que não pode ganhar sem ser por esta via. Por isso é essencial que o PS tenha uma estratégia para lidar com a campanhas negativa que está em curso e as que se seguirão. Por a falar Ferro Rodrigues ou Vieira da Silva é um desastre. São pessoas muito respeitáveis mas que não sabem comunicar e muito menos em televisão. Espero que o PS acorde e passa à ofensiva e não fique numa posição passiva. Seria um enorme erro que pode pagar-se caro.

    ResponderEliminar