quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O clamor que anuncia o rufar dos tambores

Quanto se estão a enganar os que julgaram poder calar José Sócrates durante quatro anos no Estabelecimento Penal de Évora. Entenderiam eliminar de vez o futuro de um dos mais brilhantes  políticos portugueses do século XXI, com visão e carácter para puxar pelas energias positivas dos compatriotas e dar ao país um devir histórico esperançoso em vez desta tragédia empobrecedora para onde a direita os quer empurrar.
Estavam tão convencidos do sucesso do que julgavam ser o processo de erosão contínua a que sempre o sujeitaram desde que tomou posse em 2005, que até «aconselharam» os socialistas a nem o referenciarem no Congresso deste fim-de-semana.
O primeiro grande sinal do clamor, que começa a crescer e tende a transformar-se no rufar dos tambores de que falava uma das belas canções de Zeca Afonso no seu «Cantigas de Maio», foi a visita de Mário Soares esta manhã, sem desprimor para o gesto solidário de Capoulas dos Santos na véspera.
Sem papas na língua o fundador do PS classificou todo o processo movido a Sócrates como uma infâmia e foi veemente em desqualificar todos quantos nela têm colaborado.
É claro que o Sindicato dos Magistrados reagiu como as púdicas virgens desmascaradas na praça pública pelos seus vícios privados. Mas quanto de ridículo se cobrem quando pretendem dar lições a quem foi o artífice da nossa Democracia!
Nesta altura já estão em preparação, e em execução, algumas iniciativas de solidariedade com José Sócrates e de repúdio pelo que lhe estão a fazer. E já importantes visitas mediáticas se anunciam nos próximos dias, nomeadamente a de Lula da Silva.
A indignação dos socialistas atinge tal dimensão, que decerto se fará ouvir no Congresso, por muito que a direção nacional esteja obrigada a assumir a posição politicamente compreensível de respeitar o poder judicial, por muito que ele esteja a desmerecer essa consideração! Cá fora, e para as televisões que pulularão no exterior do pavilhão do Parque das Nações decerto se lembrará a diferença abissal entre o tratamento conferido a José Sócrates e o que beneficiaram cavaco silva e as suas ações do BPN, passos coelho e a Tecnoforma, paulo portas e os seus submarinos, só para falar dos três principais expoentes dos tipos de corrupção, que abarca muitos outros nomes relevantes da direita.
E para os que insistem na «toxicidade» de se manterem as políticas seguidas pelos governos de José Sócrates como um ativo utilizado nas campanhas de propaganda do PS até às legislativas, a melhor resposta deverá surgir nas próximas sondagens que, ao contrário do que muitos prognosticam, não o afastarão significativamente da perspetiva sólida de alcançar a maioria absoluta. Até para tornar possível evitar que, ao contrário do que têm demonstrado, os juízes e os procuradores continuem a ser manifestamente zarolhos, rejeitando ostensivamente levar a tribunal quem efetivamente tudo faz para o merecer. 

3 comentários:

  1. Na TSF à meia noite foi publicado um comunicado do José Sócrates que transcrevo( ver em:
    http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=4263018&page=1
    "Em 26 de Novembro de 2014
    Há cinco dias "fora do mundo", tomo agora consciência de que, como é habitual, as imputações e as "circunstâncias" devidamente selecionadas contra mim pela acusação ocupam os jornais e as televisões. Essas "fugas" de informação são crime. Contra a Justiça, é certo; mas também contra mim.
    Não espero que os jornais, a quem elas aproveitam e ocupam, denunciem o crime e o quanto ele põe em causa os ditames da lealdade processual e os princípios do processo justo.
    Por isso, será em legítima defesa que irei, conforme for entendendo, desmentir as falsidades lançadas sobre mim e responsabilizar os que as engendraram.
    A minha detenção para interrogatório foi um abuso e o espetáculo montado em torno dela uma infâmia; as imputações que me são dirigidas são absurdas, injustas e infundamentadas; a decisão de me colocar em prisão preventiva é injustificada e constitui uma humilhação gratuita.
    Aqui está toda uma lição de vida: aqui está o verdadeiro poder - de prender e de libertar. Mas, em contrapartida, não raro a prepotência atraiçoa o prepotente.
    Defender-me-ei com as armas do Estado de Direito - são as únicas em que acredito. Este é um caso da Justiça e é com a Justiça Democrática que será resolvido.
    Não tenho dúvidas que este caso tem também contornos políticos e sensibilizam-me as manifestações de solidariedade de tantos camaradas e amigos. Mas quero o que for político à margem deste debate. Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia.
    Este processo só agora começou.
    Évora, 26 de Novembro de 2014
    José Sócrates"
    MCTorres

    ResponderEliminar
  2. Mais palavras para quê? Apenas parabéns pela lucidez que demonstra ao escrevê-las.

    ResponderEliminar
  3. No “Ionline” saíu uma notícia que ajuda a relembrar os primeiros actos do 1.º governo Sócrates, a defender a equidade social e a lutar contra privilégios, por ex. dos magistrados e juízes, retirando-lhes, por ex., 1 dos 2 meses de férias.
    Agora, a VINGANÇA desta choldra, não só do governo, que os protegem, mas deles próprios, juízes, magistrados e etc. faz-se cobardemente e traiçoeiramente, como é próprio de gente assim, com o apoio do escroque Cavaco.
    Site do jornal IONLINE ! http://www.ionline.pt/artigos/portugal/socrates-justica-uma-guerra-vem-dia-zero-governo/pag/-1

    ResponderEliminar