sábado, 1 de fevereiro de 2014

POLÍTICA: uma questão de carácter … ou da falta dele!

Este foi o fim de semana em que a imprensa - sempre predisposta a empolar tudo quanto interesse ao governo e desfavoreça o principal partido da Oposição - deu duas notícias elucidativas: João Galamba a considerar que o Partido Socialista não estaria ainda preparado para governar e António José Seguro a desqualificar os governos de José Sócrates colocando-os ao mesmo nível que os de durão barroso, santana lopes e passos coelho.
Que a notícia sobre João Galamba é falsa, já o próprio tratou de demonstrar no facebook, convidando quem tiver dúvidas a ouvir a entrevista em causa para confirmar nunca ter saído da sua boca essa ilação. Mas é útil à direita explorar a ideia de um partido dividido em que duas alas se antagonizam sem se conseguirem entender.
Mas se a direita explora estes métodos para incrementar a ideia de uma Oposição à deriva, não se esperaria que fosse o líder socialista a colaborar com essa mesma estratégia. Porque Seguro voltou a demonstrar a falta de respeito, que já se lhe reconhece há muito tempo, pela história do Partido Socialista: porque depois de passar anos a soprar para a imprensa, que não estaria de acordo com muito do que o governo liderado por José Sócrates ia concretizando, também nunca se conseguirá dissociar do gesto de deselegância, que teve para com António Costa no célebre Congresso em que decidiu desaloja-lo das câmaras da TVI  para que aquele estava a ser entrevistado.
Por isso, quando alguém sugeria no facebook, que a frase assassina de ontem teria a ver com “ingenuidade”, poder-se-á dizer que ingénuo é quem o aventa. Porque se trata de uma questão de carácter. Ou, quase por certo, da falta dele.
Ora, como o Blogue Escadas Rolantes afirmava hoje, se ele lidera as sondagens não é pelos méritos do sucesso da sua mensagem junto dos eleitores. É apenas porque estes ainda veem no PS o partido de Mário Soares, António Guterres ou José Sócrates. E sabem o que com eles ganharam em comparação com o que, entretanto, perderam!


3 comentários:

  1. Durante algum tempo (pouco) considerei a hpótese de Seguro ser apenas burro. De facto, atacar o próprio partido ou na melhor das hipóteses calar os ataques que lhe são feitos não abonava nada em seu favor. Qualquer pessoa com dois dedos de testa percebe que a estratégia usada por Seguro lhe iria rebentar na cara, não defender o passado ( das mentiras pelo menos) leva-nos mais cedo ou mais tarde a um beco sem saída.
    Agora sempre que o PS quer criticar a situação actual ou propor novas medidas, a resposta da direita é só uma ( e não precisa de ser outra), a culpa foi vossa, vocês próprios o reconheceram.
    Como é óbvio, isto não seria grave se não fosse mentira.
    Voltando ao Seguro, afinal ele não é burro, ele é um burro mentiroso sem coluna vertebral! O seu ressabiamento contra os que o precederam fez com que adoptasse uma estratégia que o irá liquidar.
    A situação do país também é em grande parte culpa do Seguro e da sua patética liderança e isso é algo que muitos nunca lhe perdoarão e ainda bem.

    ResponderEliminar
  2. Que o Seguro sonso perore,só é enganado quem quer.Após Kautsky,Kerensky.Major.Miterrand,Holland,etc.,o socialismo tem que ter muita força para continuar vivo. E viverá,para além dos atentados de quem o odeia!

    ResponderEliminar
  3. Não é burro, é sonso e oportunista, o que lhe interessa defender é o seu umbigo. Já devia ter sido corrido há muito, está provado que não tem estaleca. Ou então está a pagar favor ao Passos.

    ResponderEliminar